Política/Brasil (30/03/2022) 

 

 

Queda de presidente da Petrobras aumenta rusga do Exército com a Marinha

 

A demissão do presidente da Petrobras, general Joaquim Silva e Luna, amplia as rusgas entre o Exército e a Marinha.  Oficiais ouvidos pela reportagem sob a condição de anonimato avaliam que Silva e Luna "pagou o pato" da ineficiência na articulação política do ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque. Criticam, ainda, o processo de fritura e a forma como o militar foi dispensado.

 

De acordo com esses generais, a substituição pelo economista Adriano Pires não resolverá o problema do aumento dos preços dos combustíveis, preocupação do presidente Jair Bolsonaro (PL) em ano eleitoral. A solução seria a aprovação de um fundo capaz de amortizar as oscilações internacionais do petróleo e, assim, diminuir o impacto na população.

 

Quem falhou, portanto, nessa avaliação, foi Albuquerque, que teria a responsabilidade de fazer a articulação política. Há ressalvas também com relação ao presidente Jair Bolsonaro (PL), que teria tentado se livrar do problema trocando a presidência da Petrobras, mas não teria se empenhado em uma negociação com o centrão para fazer a proposta avançar.

 

Silva e Luna tem reforçado a interlocutores as amarras impostas pela lei e pelo sistema robusto de governança da Petrobras para sua atuação.

Em palestra no Superior Tribunal Militar (STM) nesta terça-feira (29) o general destacou a impossibilidade de a empresa fazer "política partidária" e afirmou não haver lugar para "aventureiro" nela. Chamaram a atenção também dos oficiais verde-oliva duas indicações recentes para o conselho de administração da estatal, no qual Albuquerque manterá a predominância de nomes ligados à Marinha.

 

O primeiro é o do oficial da reserva, Ruy Flaks Schneider, reconduzido ao colegiado. Ele já comandou o Conselho de Administração da Eletrobras por indicação do ministro de Minas e Energia. O segundo é o o almirante Luiz Henrique Cairoli, próximo de Bento. Ele também é próximo do comandante da Marinha, almirante Garnier Santos, porque ambos atuaram na Bahia.

 

O atual presidente do conselho, almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira, deixa o grupo. Com a saída de Silva e Luna, não haverá mais integrantes do Exército no Conselho.

 

Veja Ainda:   Governo zera imposto de importação do etanol e de seis alimentos

                   Pastor lobista do MEC abriu faculdade e investiu R$ 100 mil em novo negócio

                   Ministério Público pede condenação de Bolsonaro por manter funcionária fantasma

                   Dia movimentado, governo Bolsonaro troca comando da Petrobras e da Educação